O Árabe

Idéias, sentimentos, emoções. Oásis que nos ajudam a atravessar os trechos desérticos da vida...

domingo, 28 de outubro de 2007

O TEMPO

O que fazeis do vosso tempo?

Não sabeis, acaso, que é ele o vosso capital mais precioso, o único que não podeis repor?

Credes poder recuperar o minuto passado? Podeis voltar ao dia de ontem? E não vedes que, à medida que o tempo escorre, mais se aproxima a nova viagem?

Não; decerto, não o sabeis.

Ou não trataríeis tão levianamente o vosso tempo.

Eis que procurais um trabalho, para que possais ganhar o vosso sustento; para que a vossa família tenha o teto e o alimento. E tanto vos escravizais a ele, que não vos sobra tempo para aproveitar a vossa vida.

Ou vos entregais a jogos, a que chamais “passatempos”. E neles gastais o vosso tempo.

Ou, ainda, vos aborreceis por motivos insignificantes. E no aborrecimento gastais os momentos em que poderíeis ser felizes.

Deixai que eu vos diga: não deveis desperdiçar o vosso tempo. Ou dia virá em que vos arrependereis; e nada podereis fazer, porque tereis gasto quase todo o vosso tempo.

Em verdade, é do erro que nasce a sabedoria.

De que, entretanto, valeria a sabedoria, se não pudesse consertar os erros da ignorância? Acaso vos adianta apagar o incêndio, depois que tenha consumido os vossos bens?

Prezai o vosso tempo.

E aprendei a dividi-lo, para que vos possa ser útil. Assim, reservai o tempo para o vosso trabalho; e, também, para que possais cultivar os vossos sentimentos e o vosso lazer.

Pois, assim como as flores não existiriam sem as raízes, também o homem não existe sem o seu verdadeiro Eu. E não podereis encontrá-lo, se não cultivardes o que vos fala ao coração.

Entretanto, que não vos preocupe o tempo.

Porque, assim como todas as dádivas que vos concede o Pai, o que tendes é o que vos é necessário.

Preocupai-vos, sim, com o uso que dele fazeis. Pois não é sábio aquele que desperdiça as provisões de que necessita, apenas porque as recebeu.

Buscai, portanto, apenas viver.

Trabalhai, amai e descansai. Deixai que o tempo corra, e vos traga novos dias e novas noites.

É assim que escapareis ao tempo: descobrindo o que, em vós, existe na Eternidade:

o vosso verdadeiro Eu.

O texto é do livro Hassan, e a ilustração do site 1000 imagens. De coração, agradeço à amiga Whispers pelos selinhos que, mais uma vez, conferiu a este blog e com todos vocês reparto esses prêmios. Afinal, sem vocês não existiria o nosso oásis...

domingo, 21 de outubro de 2007

A MAGIA

Buscais a magia.

Como se fosse algo capaz de resolver todas as vossas dificuldades. Como se pessoas existissem, que não estivessem sujeitas às regras do Universo.

Acreditais, acaso, que exista um único peixe cuja vida não obedeça ao que lhe determina o mar?

Não vos ocorre que, se alguém pudesse manipular forças ocultas, antes de por dinheiro oferecer os seus serviços, trataria de obter para si próprio o que lhe fostes pedir?

Deixai-me rir da vossa ingenuidade.

Pois é sabido que apenas o Amor pode levar o homem a encher o prato de outrem, antes que esteja cheio o seu próprio prato. E, por certo, não vos ama aquele que vos cobra pela ajuda.

Guardai-vos, portanto, dos falsos magos; como o deveis fazer dos falsos profetas. Pois uns e outros não vos trarão senão esperanças passageiras e duradouras desilusões.

Entretanto, a magia existe. E está à vossa volta:
- na ave que se eleva aos céus, vencendo a gravidade
- na rosa, que surge do botão para espalhar a beleza
- na gotícula do sêmen, que se transforma em um novo ser
- nos sonhos, que vos visitam durante a noite
- na alternância entre o sol e a lua.

Sim; a magia vos cerca. E está também em vós; nos vossos sentimentos, nas vossas emoções e no mais simples dos vossos pensamentos. No verdadeiro Eu, que vos torna capazes de pensar e sentir.

Não é nos que se dizem magos, que encontrareis a magia; como não é nos que se dizem profetas, que ouvireis a voz do Universo. O que promete, não é aquele que pode e quer dar; este, simplesmente, dá.

Não procurais a fruta, senão na árvore; como não procurais o peixe, senão na água. Assim, a cada coisa deveis procurar onde a podeis encontrar.

Buscai, pois, a magia onde a encontrareis: na Natureza, em vós mesmos, em tudo o que vos possa ligar ao Coração do Universo.

E não espereis que a magia vos apareça sob a forma de milagre. Pois as Leis existem, e por ninguém podem ser desobedecidas. Assim, àquele que se deseja tornar um mago, cabe aprender a interpretar a Lei.

Como aquele que pretende tornar-se um sábio, não pode desejar que seja aceita a sua verdade. Deve, antes, aprender a respeitar as verdades dos seus irmãos; pois, assim como a planta não brota senão da semente, não surge o conhecimento senão da procura.

E àquele que não sabe ouvir, não cabe o direito de ser ouvido.

Eu vos digo que a magia existe. Mas não se encontra ao alcance de vossas mãos, nem à vista de vossos olhos, nem sob o poder da vossa bolsa.

E sim em vosso verdadeiro Eu.

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

O SENTIDO DA VIDA

Eis que me perguntais qual o sentido da vida.

E como isto vos posso explicar?

Vede: o rio apenas corre, em seu leito, e fatalmente irá desaguar ao fim do seu curso. Assim como a flor apenas brota, e enfeita as vossas vidas enquanto dura a sua própria vida.

Pensais, entretanto, que exista um fim?

Acaso o rio, ao misturar-se ao mar, não continua a existir nas águas que lhe trouxe? E a flor, ao tombar sobre a terra, não faz nascer novas flores?

Não continua o rio a existir no mar, e a flor naquelas que ajudou a brotar?

Na Natureza, existe a Eternidade. E esta também existe em vós; contudo, deveis transformar-vos para que continue a evolução.

Abandonai as vossas angústias. E não vos entregueis às vossas dores; porque é curto o tempo de cada estada, e é à felicidade que o deveis consagrar.

Lembrai-vos, sempre, que o tempo não vos pertence. Não vos cabe marcar a hora da partida.

Assim, cada amanhecer pode ser o último; e, se isto tiverdes presente, sabereis gozar cada raio de sol.

Cada beijo, cada minuto de carinho, pode ser o último que vos cabe. Lembrai-vos desta verdade, para desfrutardes plenamente do amor.

Não deveis insistir na inútil procura.

Pois não vos é dado entender o sentido da vida. Cumpre-vos, apenas, viver. E fazer da vossa vida um canto à felicidade.

Acaso o fazeis, entretanto?

Não vos tenho eu visto, desprezando todos os motivos que tendes para serdes felizes, na louca angústia pelo que julgais que vos falte?

Em verdade, eu vos digo que recebeis as ferramentas para que possais construir a casa da vossa felicidade. E costumais utilizá-las para escavar o poço dos vossos sofrimentos.

Como, pois, pretendeis entender o sentido da vida?

Como os rios, um dia desaguareis no Mar. E, como as flores, tombareis um dia sobre a terra.

E, já que não vos é dado determinar esse dia, por que não aproveitardes o vosso curso e o vosso perfume?

Cantai, ao percorrer o vosso leito. Assim, as vossas águas haverão de carregar a tristeza para longe do vosso coração.

E oferecei ao beijo do sol cada uma de vossas pétalas. Pois é o calor que armazenardes que vos protegerá, durante a friagem da noite.

Não deveis buscar o sentido da vida.

Vivei, apenas. E desfrutai de toda a felicidade que a vida vos possa oferecer.

Buscai o prazer nos braços da vossa amada,
a esperança no olhar de vossos filhos,
a alegria nas coisas que vos fazem rir,
a paz de espírito em vosso verdadeiro Eu.

Se assim fizerdes, sereis felizes. E a felicidade se espalhará à vossa volta, como o perfume ao redor da flor e o frescor das águas em torno do rio.

Ao chegar o dia, as vossas águas claras tornarão mais límpido o azul do mar. E a força das vossas pétalas tornará o solo mais fértil do que nunca, fazendo nascer as mais belas flores.

Pois, ao abandonardes a busca e encontrardes a Vida, descobrireis o que hoje procurais.

Viver, apenas. E ser feliz.

É este o sentido da vida!
Texto do livro "Hassan";
a ilustração, confesso que não lembro.
Agradeço, de coração, à amiga Keila, pela valiosa indicação
para "Blog escrito com amor". E ele realmente o é.
Com amor e gratidão por vocês, que dão vida
ao nosso oásis.

domingo, 7 de outubro de 2007

O ARTISTA E O AMOR

Há muitos anos, o artista renunciara ao mundo.

E, tendo-se isolado nas montanhas, encontrara o seu verdadeiro Eu; e por isso as suas páginas se tornaram mais lindas, e mais profundos os seus conceitos.

Mas eis que uma mulher o procurou. E foram estas as suas palavras:

“- Aceita o meu amor. Não temas, pois aprendi a amar-te através das tuas obras. E este é o verdadeiro Amor, porque conheço a tua alma e as belezas que nela existem.”

Sorriu o artista. E respondeu:

“- Como te enganas, mulher!

A beleza que existe na obra do artista não é o fruto da sua alma, que lhe serve de espelho. Pois o artista apenas alimenta os sonhos dos homens; e não cria a beleza, tão somente a reflete. E as idéias que exprime não lhe pertencem; são de toda a humanidade.

Se me queres amar, segue o teu caminho.

Pois embora te atraia a beleza do mar, nele não conseguirias viver. E, embora ames a beleza do céu, se nele estivesses nada mais encontrarias que um imenso vazio.

Não busques o sol na poça d’água; ou perderás a ilusão de sua presença, com a descoberta de que ele ali não se encontra.

Vai em paz; e leva contigo os teus sonhos, para que os possas conservar vivos.

E lê as minhas obras, já que te encantam; e nas minhas palavras de amor, encontra motivação para viver o amor.

E sonha com os meus beijos, para que a sua atração não se venha a perder na rotina do teu dia-a-dia.

E imagina-me como quiseres, para que não te desencantes ao descobrires como eu sou. Pois não é como pessoa, que me amas; mas como o intérprete e a corporificação dos teus sonhos.

E por quanto tempo os sonhos podem vestir um corpo?

Assim como o amanhecer traz o fim dos sonhos de uma noite, não traz o conhecimento o fim dos sonhos de uma vida?

Guarda, pois, a minha imagem no teu coração; para que dele o conhecimento não me venha expulsar.

Porque é triste a sina do artista; que não vive senão através das suas emoções.

E que não enxerga o mundo senão através dos seus olhos; que, de tanto se fixarem nas belezas que descortinam, perdem os contornos da realidade.

E cujos pés alados não se podem enredar nos grilhões da humanidade, a quem precisa elevar às alturas.

É fácil, amar as obras de um artista.

E difícil viver a seu lado.”
Trecho do livro "A Sabedoria de Hassan",
foto do site 1000 Imagens.
De coração agradeço à amiga Whispers, pela preciosa indicação como blog solidário.
O carinho de vocês, para mim é sempre o melhor dos presentes...

Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Clicky