O Árabe

Idéias, sentimentos, emoções. Oásis que nos ajudam a atravessar os trechos desérticos da vida...

sexta-feira, 24 de maio de 2013

A IDADE DO TEMPO


Eu tenho a idade do tempo.

Dias existem em que me sinto leve como uma criança; e outros em que pesam sobre meus ombros todos os anos do mundo, todo o cansaço de todas as jornadas.

Vivem em mim a luz intensa do sol e a escuridão profunda de uma noite fechada; minha alma voa com as nuvens pelo céu, ou mergulha nos abismos mais desolados.

Em meu coração convivem a esperança do lavrador que semeia e o desânimo daquele que se vê perdido no deserto, perambulando a esmo sob o sol inclemente.

Sou como a flor, que abre as suas pétalas à carícia da brisa; mas os meus pés descalços, magoados pelas pedras do caminho, anseiam às vezes pelo fim da jornada.

Vivo os meus sonhos, mas não esqueço as mil pequeninas mortes que me foram trazidas pelas desilusões; as suas cicatrizes formam a armadura que me protege o coração.

Eu tenho a idade do tempo.

Tenho a grandeza do Universo e a pequenez do átomo; a impetuosidade do oceano e a placidez do lago; sou a água cristalina do regato e a água estagnada do pântano.

Ouço em minha alma a canção das estrelas, encontro na beleza o encanto da perfeição; sinto que no Amor está o sentido da Vida, no Conhecimento a plenitude de Ser.

Em cada alvorecer e em cada crepúsculo, vejo o renascer da vida e a paz do merecido descanso; em cada sorriso e em cada lágrima, descubro as sementes do aprendizado.

Entretanto, em minha alma ressoa também a amarga música do sofrimento. Ouço os gemidos dos feridos, o pranto dos abandonados, o silêncio gritante dos excluídos.

Sinto a dor de cada sonho morto; a solidão e o frio da noite nas ruas desertas, a agonia e o desespero da fome, a infinita desesperança dos órfãos.

Convivem em mim o ódio e o amor, a luxúria e a ternura, o egoísmo e o altruísmo, o desejo de vingança e o perdão, a descrença e a fé, o orgulho e a humildade.

Sou a minha própria loucura e a minha própria sanidade; sacrifico as minhas certezas, para que novas dúvidas possam nascer e levar-me a outros caminhos.

Eu tenho a idade do tempo. 

E o tempo da Eternidade. 

                                                    Inspirado pela bela foto do site 1.000 Imagens.  

55 Comentários:

Blogger Olhos de mel disse...

Lindo demais, Árabe! Sabe? Viver no limite das emoções, faz parte da vida dos poetas. Porque eles vivem intensamente cada momento. O meio termo não existe e assim, ou estão eufóricos demais, ou numa tristeza profunda. Sofrem as dores do mundo e se alegram com os sorrisos. Apreciam o luar e se vêm na lua e se deprimem quando ela se esconde...
E nessas fases, escrevem coisas maravilhosas! Como esse poema.
Adorei a imagem! Gostei da musica também!
Bom fim de semana! Beijos

24 de maio de 2013 18:16  
Blogger ✿ chica disse...

Lindo demais e bem reflexivo, como sempre! abração,tudo de bom,chica

25 de maio de 2013 04:21  
Blogger GarçaReal disse...


Este teu texto muito reflexivo...

Fiquei a pensar, pois ter a idade do tempo é realmente o que temos e quase nem nos apercebemos.

Caminhamos ao sabor desse mesmo tempo, com agruras e felicidades . com tristezas e sorrisos.

Muito bom

Bom fim de semana

Bjgrande do Lago

25 de maio de 2013 04:49  
Blogger Wania F disse...

Olá amigo Árabe...
Texto belo e entremeado de luz e sombras...sombras estas daqueles que fomos no passado e de suas dores,luz do que ainda podemos ser.
Parabéns.

25 de maio de 2013 07:07  
Blogger luna luna disse...

vives na dualidade do tempo entre o sentir de humano e alma etérea
beijinhos

25 de maio de 2013 10:39  
Anonymous gal disse...

Não vou comentar...só afirmar que o texto é muito lindo, como tudo que vc escreve.exige uma grande reflexão.

abraço
paz e bem

25 de maio de 2013 14:57  
Blogger Arco-Íris de Frida disse...

Sei bem o que escreveste... sei bem o que é ter a idade do tempo...
Beijos...

25 de maio de 2013 16:49  
Blogger Ailime disse...

Olá amigo e bom Árabe um poema reflexivo maravilhoso! Direi genial e inspiradíssimo! Como diz uma amiga acima hoje não vou comentar para que as minhas palavras não desvirtuem o que escreveu. Apenas interiorizar. Muito obrigada. Um beijinho e uma boa semana. Ailime

26 de maio de 2013 08:55  
Blogger vieira calado disse...

Outro belíssimo texto!
E, na verdade, temos todos, a idade do Tempo!
Forte abraço!

26 de maio de 2013 10:17  
Blogger Cidinha disse...

Olá, amigo. Saudades do lindo espaço! Ando ausente. Desculpe, pois me perdi de vc. È uma belissima reflexção!Reconhecer e emocionar com a idade do tempo. Obrigada Àrabe por partilhar essa emoção! Um ótimo fim de tarde e feliz semana. Grande abraço! Adorei.

26 de maio de 2013 12:37  
Blogger Ateliê Tribo de Judá disse...

Será que essa reflexão toda sobre o tempo tem algo haver com a chegada de mais um aniversário do blog?
...o mistério do tempo que cabe num segundo e explode na imensidão do viver.
Beijos e parabéns pelo blog que é um verdadeiro oásis.
Joelma

27 de maio de 2013 10:24  
Blogger Paula Barros disse...

Em cada um de nós convive a dualidade. E você coloca tão bem no texto.
abraço

27 de maio de 2013 11:03  
Blogger LUZ disse...

Eu não consigo habituar-me "ao tempo", a estes tempos.

Bem conseguido o seu texto, Se na prática, o consegue, PARABÉNS.

Sabe, eu queria um tempo diferente...!

Boa semana.

27 de maio de 2013 11:10  
Anonymous irene alves disse...

Pois é meu querido amigo, um texto
bem escrito, como nos habituou, que
fala sobre o tempo.Estava a ler e
a rever-me. Eu também gostaria
nesta fase da m/vida, mais próxima
do final, estar a viver um outro
tempo, pelo menos "mais calmo" mas
os políticos de cá, não o deixam,
resolveram "massacrar-nos todos os
dias".
Desejo que o amigo esteja bem.
Um beijinho
Irene Alves

27 de maio de 2013 11:42  
Blogger Zilani Célia disse...

OI ÁRABE!
ASSIM SOMOS NÓS, POR MOMENTOS SÁBIOS E NOUTROS MEROS APRENDIZES, MAS, QUE ESTEJAMOS SEMPRE ABERTOS, Á NOVOS CONHECIMENTOS E ASSIM EVOLUIRMOS COMO TEM DE SER, PARA NOSSA EVOLUÇÃO.
ABRÇS~
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

27 de maio de 2013 13:52  
Blogger São disse...

Estupenda maneira como findas tão excelente lição, Swami.


Bem hajasa, meu amigo!

28 de maio de 2013 05:34  
Anonymous De... disse...

Estou absolutamente sem palavras diante desse texto grandioso!

E creia, Árabe... deixar-me sem palavras não é fácil.

Gratidão!!!

28 de maio de 2013 07:07  
Blogger O Árabe disse...

Grato, Olhos de Mel; e eu, realmente, acredito que é preciso viver cada momento. Com todo o coração. Boa semana!

28 de maio de 2013 10:00  
Blogger O Árabe disse...

Obrigado, Chica. Boa semana, amiga!

28 de maio de 2013 10:00  
Blogger O Árabe disse...

É isso, sim, Garça amiga: o nosso verdadeiro Eu tem a idade do tempo... com todas as tristezas e todos os sorrisos de incontáveis jornadas. Boa semana

28 de maio de 2013 10:04  
Blogger O Árabe disse...

Isso, Wania! Somos seres de luz, ainda que às vezes as sombras surjam em nós. Boa semana!

28 de maio de 2013 10:06  
Blogger O Árabe disse...

Vivemos, Luna... e a prova está no que escrevemos, eu creio. Boa semana!

28 de maio de 2013 10:06  
Blogger O Árabe disse...

Obrigado, Gal. E, acredite, também a mim esses textos fazem refletir. Boa semana, paz e bem.

28 de maio de 2013 10:08  
Blogger O Árabe disse...

Assim é, não, Arco-Íris? Creio que essa é a idade do nosso verdadeiro Eu! Boa semana.

28 de maio de 2013 10:09  
Blogger O Árabe disse...

Obrigado, Ailime, por sua gentileza e amizade de sempre. Boa semana!

28 de maio de 2013 10:09  
Blogger O Árabe disse...

De fato, mestre e amigo Vieira Calado... todos a temos! Obrigado e boa semana; meu abraço.

28 de maio de 2013 10:10  
Blogger O Árabe disse...

Uma grande alegria a sua presença, Cidinha; obrigado. Boa semana!

28 de maio de 2013 10:10  
Blogger O Árabe disse...

Talvez, Joelma... quem sabe? Mas, se assim for, acredite, é inconsciente. O tempo é, para mim, um tema recorrente e fascinante. Obrigado, boa semana!

28 de maio de 2013 10:12  
Blogger O Árabe disse...

Obrigado, Paula. E você tem razão: ela existe, em cada um de nós! Boa semana.

28 de maio de 2013 10:12  
Blogger O Árabe disse...

Acho que esse é um desejo latente em todos nós, Luz: o tempo dos nossos sonhos. E, acredite, talvez não consiga, mas eu tento! Boa semana, obrigado.

28 de maio de 2013 10:14  
Blogger O Árabe disse...

Infelizmente, Irene, assim acontece. Mas todos os homens passam... e o tempo permanece. :) Boa semana, amiga; obrigado.

28 de maio de 2013 10:15  
Blogger O Árabe disse...

Bem dito, Zilani: por vezes sábios e em outras aprendizes. Mas a vida é um eterno aprendizado! Boa semana.

28 de maio de 2013 10:16  
Blogger O Árabe disse...

São, minha amiga de sempre, bem hajas por tua gentileza e amizade! Boa semana.

28 de maio de 2013 10:17  
Blogger O Árabe disse...

Obrigado, De. Pela gentileza e pela presença constante, sou eu que te agradeço. Boa semana!

28 de maio de 2013 10:19  
Blogger Rita disse...

Lindo muito lindo
Acho que todos temos um pouco da idade do tempo, mas eu achei incrível ler esse post, mais uma vez te parabenizo
Deixo um abraço com carinho
Bjuss
Rita!!!

28 de maio de 2013 11:33  
Blogger ॐ Shirley ॐ disse...

Maravilhoso!!! Sem mais comentários. Amigo, que a paz habite sua alma!

28 de maio de 2013 12:25  
Blogger ONG ALERTA disse...

Nossa idade passa pelo tempo da vida...
Abraço Lisette.

28 de maio de 2013 17:28  
Blogger aldrey disse...

Nossa que lindo...bjs

29 de maio de 2013 07:03  
Blogger Claudinha ੴ disse...

Bela prosa poética. Eu penso que só se libertará de suas amarras quando se soltar das armaduras que cultua. Não há como viver intensamente sem expor o peito à novas feridas. E muitas vezes elas são causadas em reação às suas próprias investidas, as quais nem percebe...
Parabéns pelo texto!

29 de maio de 2013 13:17  
Blogger Madalena Luz disse...

Meu amigo absolutamente linda sua reflexão... a eternidade é nosso tempo... abraço

29 de maio de 2013 14:41  
Blogger © Piedade Araújo Sol disse...

bem escrito sem dúvida.
eu acho que todos sem sabermos temos a idade do tempo.
obrigada por este momento.
um beijo

:)

30 de maio de 2013 00:19  
Blogger Luma Rosa disse...

Oi, Árabe!!
O próprio tempo tem vários modos de ser visualizado, pois dependendo do ângulo, tem-se muito tempo ou pouco tempo, passa rápido ou devagar... tudo depende do ponto de vista, nosso ou do universo.
Somos essa dualidade que caminha entre dois extremos. Nada de mais, nada de menos... essa é a normalidade! O estranho é ser de menos ou ser de mais.
Beijus

30 de maio de 2013 16:42  
Blogger O Árabe disse...

Temos, Rita. E isso nos traz a Eternidade. Bom fim de semana, amiga!

31 de maio de 2013 09:29  
Blogger O Árabe disse...

Grato, Shirley. Bom fim de semana!

31 de maio de 2013 09:30  
Blogger O Árabe disse...

Assim é, Lisette... e a Vida é eterna! Bom fim de semana.

31 de maio de 2013 09:31  
Blogger O Árabe disse...

Grato, Aldrey, volte sempre; o oásis é nosso. Bom fim de semana!

31 de maio de 2013 09:31  
Blogger O Árabe disse...

Isso, Claudinha: viver é expor o peito a novas feridas... e novas realizações; assim exige o Aprendizado. Bom fim de semana!

31 de maio de 2013 09:33  
Blogger O Árabe disse...

Alegria em rever-te, Madalena; grato pela amizade e gentileza, bom fim de semana!

31 de maio de 2013 09:34  
Blogger O Árabe disse...

Temos, Piedade... e às vezes o sentimos. Grato pelas gentis palavras, bom fim de semana.

31 de maio de 2013 09:35  
Blogger O Árabe disse...

Isso, Luma! Em nós, é normal a dualidade. Bom fim de semana, amiga!

31 de maio de 2013 09:36  
Blogger ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Caro amigo

A idade do tempo
é um texto fascinante.
É um compromisso
com a eternidade
e a esperança.

A vida é feita
dos sonhos que nos habitam.

31 de maio de 2013 16:02  
Blogger O Árabe disse...

Assim é, Aluisio. Vivamos os nossos sonhos. Meu abraço, bom fim de semana!

31 de maio de 2013 20:48  
Anonymous Anônimo disse...

Amigo árabe, sinto que a sua vida não é fácil.
Parece ter certezas, alegrias e muitas desilusões.
Saberá alguém quem o árabe verdadeiramente é?
Saberá alguém o que o comove e o que lhe alegra?
Será que nesta passagem da vida no Tempo, alguém compreende essa sua dualidade?
Muitas dúvidas, e apenas uma resposta.
Um abraço.
Salamalek
Eduardo Leblanc

13 de junho de 2013 23:32  
Blogger O Árabe disse...

Grato, amigo Eduardo, pela sensibilidade e pelo acerto deste comentário, que apenas hoje vi. Na verdade, todos enfrentamos esta dualidade da vida: alegrias e sofrimentos. Creio que a solução é tentar transformar ambos em aprendizado... é a forma de nos tornarmos melhores, com o tempo. Meu abraço, bom fim de semana!

14 de junho de 2013 10:51  
Blogger Fa menor disse...

Sim, "no Amor está o sentido da Vida".
Embora "convivam" em nós "o ódio e o amor, a luxúria e a ternura, o egoísmo e o altruísmo, o desejo de vingança e o perdão, a descrença e a fé, o orgulho e a humildade".

Só no Amor está o nosso Caminho.

Bj

18 de junho de 2013 03:59  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial

Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Clicky