O Árabe

Idéias, sentimentos, emoções. Oásis que nos ajudam a atravessar os trechos desérticos da vida...

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

A PAZ INTERIOR


É a paz interior que deveis buscar, acima de tudo.
Sem ela, nada podereis conseguir. De que servem as mais resistentes muralhas e o fosso mais profundo, para proteger o castelo, se dentro dele a guerra permanece acesa?

De nada vos adianta desejar que a paz esteja ao vosso redor; nem tentar arredar-vos do mundo. Porque, ainda que o conseguísseis fazer, a insatisfação continuaria em vós.
É em vós, que estão os problemas; e, se assim é, em vós necessitais buscar as soluções. O problema não é a falta do oásis, nem o sol do deserto, mas a sede que vos atormenta.

O problema não é o escuro da noite que vos envolve, mas o medo que cresce em vós, quando não conseguis discernir o que vos cerca. Não é a insônia, e sim a vossa inquietude.
O problema não é o amor não correspondido, mas o orgulho ferido; nem a vossa aparência, mas a vossa insegurança. Não é a ignorância, mas o desinteresse em aprender.

O problema não é o obstáculo, mas a incapacidade de vencê-lo. Para aquele que se dispõe a escavar o tronco e remar a canoa, o rio é apenas um novo caminho que surge.  
Responsabilizais as circunstâncias, para justificar as vossas decisões equivocadas. Mas o homem sensato não é o que se detém diante do abismo, e sim o que constrói a ponte.

Podeis, sem dúvida alguma, aprender a construir as vossas pontes. Primeiro necessitais, entretanto, saber que a paz interior é a estrutura sobre a qual se podem assentar.
Buscai a paz interior. Se a encontrardes, todos os vossos problemas deixarão de incomodar-vos; e fácil vos será solucioná-los, porque ouvireis o vosso verdadeiro Eu.

Buscai a paz interior. Mas sabei que não a encontrareis nas realizações deste mundo, nas posses que amealhardes, nas vaidades satisfeitas, nem nas glórias que puderdes obter.
Este é o mundo da matéria. E tudo que aqui vos for dado conseguir nada vos trará, senão alegria passageira; porque passageira é a jornada, enquanto o vosso espírito é eterno.

Plantai boas sementes, em cada dia, para que farta vos seja a colheita, no Jardim do Amanhã. A certeza de bem semeardes vos guiará os passos, para seguirdes em frente.
Este é o caminho para a paz interior. E, uma vez que a tenhais descoberto, ela preencherá a vossa alma; e se espalhará ao vosso redor, iluminando a todos que encontrardes.

De paz se tornará o vosso caminho.
Música:

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

SOBRE PAIS E FILHOS



Não busqueis ser amigos de vossos filhos.

Sede seus pais. Muitos amigos, a vida lhes trará; mas terão um único pai, a cada jornada. E ao pai não cabe ser apenas o amigo que apoia, mas também o mestre que ensina
.
Esta é a vossa função. Enganai-vos, se julgais suficiente prover às suas necessidades materiais; tão importante como cuidar dos seus corpos, é cuidar das suas almas.

Por isto, não tenteis outorgar-lhes as vossas ideias e os vossos conceitos. Contentai-vos em ensinar-lhes o que vos ensinou a vida; mas não espereis que sigam os vossos passos
.
Estimulai-os a viver as próprias experiências e seguir os próprios pensamentos; pois outra maneira não existe de percorrerem os caminhos que lhes cabem, até o Conhecimento.

Lembrai que crescer é adotar conceitos e ideias próprias, através do aprendizado de cada dia. Das lágrimas que hoje vos traz uma descoberta, pode brotar o sorriso de amanhã.

Todo pai deseja poupar ao filho todas as tristezas. Entretanto, se assim fizesse, não afastaria dele também as alegrias? Como saber o valor da luz, sem conhecer a escuridão?

Tende presente que todos vós fostes filhos, antes de vos tornardes pais. E amargastes as vossas tristezas e desfrutastes das vossas alegrias; ambas vos tornaram o que hoje sois.

Já vos ensinou o Profeta: sois o arco que a vida enverga, e vossos filhos são as setas que lançais. Nada podeis fazer, senão mirar cuidadosamente, para que atinjam os seus alvos
.
Em verdade, cada um deles a ninguém pertence, senão a si mesmo. E, como o fizestes, deverão percorrer o seu próprio caminho, vencer as suas montanhas e os seus abismos.

E, como também ocorreu convosco, encontrarão regatos cristalinos onde se dessedentem, grama macia que lhes afague os pés, jardins floridos onde descansem e se retemperem.

Assim acontece, a todos vós. E o que levareis deste mundo, quando dele vos fordes, não são as conquistas que aqui tenhais amealhado, mas as lições que tiverdes aprendido.

Amai os vossos filhos. Mas sabei que não são vossas posses, nem podeis comandar as suas ações. Não espereis determinar os seus rumos, pois a jornada a eles pertence.

Cuidai, sim, de oferecer-lhes o vosso amor e a vossa sabedoria. Amparai os seus passos e orientai-os pela vida; lembrai-vos, porém, de que não vos é dado caminhar por eles.

Apenas vos cabe torná-los capazes de seguir os seus caminhos. 
Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/midi vocais/fabiojunior_pai.mid

FELIZ DIA DOS PAIS!

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

A ESCOLHA E O CAMINHO



Sempre podeis escolher os vossos caminhos.

Assim eu vos tenho dito. E, por isto, não vos cabe lamentar os lugares a que vos levam. Pois, se vos é dado escolher as sementes que plantais, como podereis reclamar dos frutos que colheis?

Tende presente esta verdade. E sabei que, a qualquer momento, podeis alterar os vossos rumos; é da vossa vontade que depende mudar o vosso presente e, assim, também o vosso futuro.
Decerto, não podeis controlar os eventos que vos traz a vida; entretanto, depende de vós a forma como a eles reagireis. E, acreditai-me, é esta que fará toda a diferença em vosso amanhã.

Pois ao homem que se vê diante de um abismo, cabe a escolha entre construir uma ponte ou desistir da travessia. E quem sabe aonde o levarão os novos caminhos que vier a escolher?
Todos os dias, vos deparais com novas esquinas; e devereis dobrá-las, embora não vos seja dado saber o que vos aguarda. Mas nada vos obriga a seguir por um caminho que vos desagrada.

Pois não é sensato aquele que oculta as suas lágrimas por trás de um falso sorriso; ou que insiste em seguir em frente, quando lhe doem os pés e seus olhos não veem senão pedras adiante.
Não existe vergonha em abandonar a rota que decerto vos levaria ao naufrágio; nem em reconhecer um erro cometido. Melhor reconhecê-lo hoje, que amargar mais um dia de sofrimento.

E, se assim é, por que vos deitaríeis em espinhos, quando podeis buscar um novo leito? Por que insistir em subir a escarpada montanha, quando o prado macio pode estar à vossa espera?
Afastai de vós a dependência das opiniões alheias; sois os juízes de vossos caminhos. Pois, eu vos tenho dito, ninguém senão vós chorará as vossas lágrimas, nem sorrirá os vossos sorrisos.

Afastai de vós o insensato temor às mudanças. Melhor é enfrentar um novo dia desconhecido, do que aguardá-lo já com a certeza de que nele continuarão os mesmos padecimentos.
Afastai de vós o comodismo, que muitas vezes vos acorrenta à rotina e pinta com cores sombrias os novos caminhos que surgem à vossa frente; o pássaro que não voa atrofia as suas asas.

Não vos negueis a uma nova jornada, porque vos assustam os perigos do caminho. Lembrai-vos que é preciso viajar pelo deserto inclemente, para desfrutar do oásis acolhedor.
A eternidade vos pertence, o tempo é o vosso maior patrimônio. Não deveis, pois, enjeitar as oportunidades de conhecer novos caminhos, quando não vos agrada o local onde estais.

Afinal, sempre podeis mudar os vossos caminhos.
Música:

sexta-feira, 29 de julho de 2016

A ANSIEDADE E A PAZ


Afastai de vós a ansiedade.
Cada caminhada não é um meio, mas uma viagem em si mesma. Chegareis ao mesmo desfecho que todos aqueles que vos cercam; sensato, portanto, é aproveitar a jornada.

Conservai os vossos olhos abertos, para a beleza das paisagens que vos cercam; mantende os vossos ouvidos atentos ao canto dos pássaros e ao marulhar dos córregos.
Porque nada levareis de cada caminho, senão aquilo que estiver guardado em vossa alma. E não deveis acelerar os vossos passos, ou talvez as lembranças não vos alcancem.

Abandonai a pressa. Mesmo porque nada encontrareis, ao fim de cada caminho, senão um pequeno descanso e o começo de um novo caminho. Muitos deles devereis caminhar.
Vosso é o tempo e vossa é a Eternidade. E, se o vosso espírito habita nos jardins do amanhã, de que vos serve afobar-vos para percorrer os caminhos onde hoje andais?

A jornada não se encerra, para o viajante que troca as suas vestes. E, embora a água possa lavar a poeira dos caminhos, não apagará de sua mente as coisas que aprendeu. 
Aprendei a caminhar. Pois não é para chegar que deveis ter pressa, mas para aprender; outra forma não existe de tornar mais fáceis os caminhos por onde no futuro  passareis.

O homem que só enxerga os seus objetivos, é como o burro que persegue a cenoura agitada em frente aos seus olhos; e despreza a grama onde pisa, que saciaria a sua fome.
Afastai, pois, os vossos olhos da cenoura. Assim descobrireis a grama e o céu, o regato e as flores, os encantos da natureza; assim percebereis como é belo o mundo que vos cerca.

Não é rumo às posses e ao sucesso que deveis correr, mas ao Conhecimento. E a ele chegareis se caminhardes com vagar, aproveitando cada lição que vos ensinar o caminho.
Feliz não é o homem que possui a montanha, mas aquele que do seu cume desfruta a beleza da paisagem. Feliz não é o que engaiola o pássaro, mas o que ouve o seu canto.

Feliz não é aquele que guarda muitas moedas, mas quem as usa para trazer conforto a si e àqueles que ama. Feliz não é quem prova vários amores, mas quem conhece o amor.
Afastai de vós a ansiedade. Porque, como a todos acontece, um dia chegareis ao fim deste caminho; e descobrireis que nada podereis levar, de tudo que hoje correis para conquistar.

Apenas a paz seguirá convosco, se a souberdes encontrar.
Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/midi vocais/internacionais_louis_armstrong_what_a_wonderful_world.mid

sexta-feira, 22 de julho de 2016

AS VOSSAS PRIORIDADES


Estabelecei as vossas prioridades.

Este é o primeiro passo, para que possais traçar a vossa rota e determinar os rumos que devereis tomar. Porque aquele que não sabe aonde quer chegar não pode escolher o melhor caminho.

Para o viajante perdido no deserto, todos os caminhos são iguais. Assim como, para o navegante que não sabe qual será o seu porto de destino, nenhuma valia pode ter a bússola mais exata.
Escolhei o vosso destino, para que possais determinar o vosso rumo. Porque, embora caminhos diferentes possam levar ao mesmo ponto, decerto não será o mesmo o tempo gasto na viagem.

E o homem que atravessa o deserto não é aquele que segue o sopro do vento nas dunas, mas o que traz o seu mapa e o seu cantil e todas as noites verifica o seu rumo pelas estrelas.
Sabei aonde pretendeis chegar e fácil vos será determinar o caminho a ser tomado. Se, entretanto, não sabeis o que desejais, como vos será possível saber o que fazer para alcançá-lo?

Sois como o agricultor, que antes de começar o plantio precisa saber os frutos que deseja colher. Só depois dessa decisão, é que lhe será possível escolher as sementes e preparar o terreno.
Fazei, portanto, as vossas escolhas. E, depois de havê-las feito, consagrai-vos à sua busca, com o melhor de vossas forças. Pois a ponte que une o sonho à realização tem o nome de atitude.

É das vossas atitudes, que depende a realização dos vossos sonhos. E, como acontece em toda marcha, muitas vezes o caminho se tornará difícil, magoando e fazendo sangrar os vossos pés.
E o que será de vossa determinação, quando as lágrimas vos turvarem a visão e o cansaço fizer doer o vosso corpo? Nessas horas, apenas a certeza do que desejais vos fará seguir em frente.

Sem dúvida, não serão poucas as vezes em que vos assaltará a tentação de desistir. Mas aquele que cede à preguiça e se deixa ficar à margem do caminho, jamais poderá alcançar o seu sonho.
Fazei, pois, do vosso maior desejo o vosso norte. E nele mantende fixos os vossos olhos, ainda que distante esteja no horizonte; porque a sua imagem vos dará forças para prosseguir a caminhada.

Ensina antigo provérbio que as asas de um homem têm o tamanho dos seus sonhos. E eu vos digo que o desejo de realizá-los determina os limites das vossas forças e dos vossos passos.
Pois, se é certo que querer é poder, é igualmente certo que necessitais saber querer, para que sejais capazes de poder. É de vós que depende o rumo que seguireis e até onde chegareis.   

Estabelecei as vossas prioridades. E mais fácil será a vossa jornada. 

Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/midis/adagio.mid

sexta-feira, 15 de julho de 2016

AS ÁRVORES E OS AMORES


Acreditais, acaso, que os vossos amores sejam como as árvores?
Desiludi-vos, então. E sabei que são, antes, como as espumas alvas que flutuam sobre as ondas e se desfazem mansamente, quando o mar se quebra sobre a areia da praia.

Como as espumas, porém, voltam a flutuar sobre as próximas ondas; e as adornam, até que por sua vez morram na areia. E assim será, por todo o tempo em que possam durar.
Porque esta é a natureza dos amores: inconstante e variada. Assim são os sentimentos da alma humana, que habita na Mansão do Amanhã, mas viaja com os ventos do hoje.

Em verdade, nada encontrareis de diferente. E, se olhardes dentro de vossas almas, vereis que não viveis os vossos amores com a mesma intensidade, em todos os momentos.
Desejar que o amor seja o mesmo, em todas as horas, seria como desejar que as nuvens seguissem sempre na mesma direção, à mesma velocidade, independentes dos ventos.

Pois nada existe de mais inconstante que as vossas emoções. E, se a amizade é como o lago manso e confiável, o amor é como o oceano, com as suas borrascas e calmarias.
A dualidade é da natureza do amor. E é por isto, que em algumas horas ele vos arrebata no fogo intenso do desejo e em outras vos faz repousar no encanto meigo da ternura.

Não busqueis, portanto, entender os vossos amores. Nem os contabilizeis entre as vossas posses; nem espereis que ainda estejam ao vosso lado, quando vier o amanhã.
Vivei-os, apenas. Pois outra forma não existe de experimentardes todos os prazeres, nem todas as amarguras. Sem o amor, não conheceríeis todos os sorrisos e todas as lágrimas.

Vivei-os, apenas. Pois o tempo é relativo e, se a eternidade é feita da mesma essência que o minuto, um minuto de amor profundo e compartilhado pode ser uma eternidade de vida!
Não esmiuçeis o vosso amor, nem procureis entendê-lo; limitai-vos a sentí-lo em vós. Porque o amor é sentimento vivo, e apenas em cadáveres pode ser feita a dissecação.

Aprendei que o amor não é segurança, mas inquietude; não é dominação, mas companhia. Amar não é receber, mas entregar-se; não é a certeza, mas uma dúvida doce e constante.
Talvez o amor não esteja convosco, todo o tempo; mas fará valer a pena cada minuto que estiver em vosso coração. E, ainda que ausente, estará em vossas mais doces lembranças.

Os vossos amores não são como as árvores. Mas o amor está em vossas raízes. 

Música:

sexta-feira, 8 de julho de 2016

OS ANOS E OS SONHOS



Os anos passam por vós.

A princípio, como balões coloridos e leves; como as vossas alegrias de crianças, que voam ao sabor dos ventos inconstantes dos vossos humores e das vossas brincadeiras infantis.

Depois, embalando os vossos sonhos da juventude. Os primeiros amores: carícias, segredos e beijos; os estudos e as esperanças; a crença sincera em um mundo melhor.

Na maturidade, sonhos mais modestos, cedendo espaço e tempo à luta pela sobrevivência. O amor pelos filhos, a esperança de que possam realizar as vossas esperanças de outrora.
Mas os anos continuam a passar. E o mundo, que precisa rotular as coisas para aceitá-las, vos chama de idosos. Como se assim pudesse fazer-vos renunciar aos vossos sonhos.
 
Sonhos que morrem, todavia, são substituídos por outros. Como as flores que caem adubam o solo, para que outras flores possam nascer em seu lugar; isto eu vos tenho dito.

E, se observardes a vossa vida, vereis que assim realmente acontece. Os vossos sonhos de brincadeiras e magia, em crianças, tornaram-se os sonhos de amor da vossa juventude.
E estes, por sua vez, foram substituídos por sonhos de sucesso profissional; de uma vida bem-sucedida, de conforto e proteção para a família que construístes ao vosso redor.

Assim é. E, ao ultrapassardes o limiar da maturidade e alcançardes o patamar da velhice, sois como o homem que se detém após o meio da ponte e aprecia o caminho percorrido.
De forma diferente avalia a jornada, pois sabe que pouco lhe resta a caminhar. E o tempo, que no início da jornada era o seu maior aliado, torna-se agora o cobrador mais exigente.

Cada vez mais próximo, os seus olhos veem o fim da travessia. E a carga das lembranças, às suas costas, avoluma-se mais e mais, tornando cada vez mais lentos os seus passos.
Mas é preciso prosseguir a caminhada. E o tempo, que dantes contáveis em anos, passa a ser contado em dias; a incerteza do tempo que vos resta, torna valioso cada momento.

Deixai que eu vos diga, do alto de todo o tempo que caminhei, que cada segundo de vossa jornada é importante. E não o deveis desperdiçar em sofrimento, mas consagrá-lo à Vida.
Se assim fizerdes, leve será a carga que tereis às costas, quando em meio à ponte vos detiverdes. O que pesa não é o conhecimento, nem são as emoções; é o arrependimento.

Aproveitai, pois, os minutos que tendes. Antes que todos os anos passem por vós. 
Neste domingo, completo 68 anos. Esta talvez seja a forma como me sinto a respeito. :) 


Este link, do último show de um astro único, é o meu presente para vocês; de todas as músicas que conheço, esta é a minha favorita.  Não deixem de ver: https://youtu.be/Z3udW9rZUIc
  

Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Clicky